Reportagem da CBN revelou, na semana passada, que diretor da FIESP tentou influenciar alterações em áreas de proteção ambiental

Após as denúncias de que a FIESP negociou alteração de áreas de proteção ambiental com governo Alckmin, o deputado Luiz Fernando Teixeira apresentou um requerimento, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), para a instalação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) com o objetivo de investigar o escândalo.

Reportagem da CBN revelou que a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo pediu para ser beneficiada com modificações no Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental (APA) da Várzea do Rio Tietê. Emails obtidos pela reportagem mostram que a pressão da FIESP atendia o interesse de indústrias. Com a realização de tais mudanças, terrenos de empresas localizados na Várzea do Rio Tietê seriam ampliados, avançando sobre área de proteção.

Os documentos ainda mostram que a Federação pediu as mudanças à Secretaria de Meio Ambiente, esperando que a solicitação fosse discreta e passasse despercebida pelo Conselho de Meio Ambiente do Estado.

As mudanças solicitadas pela FIESP permitem que indústrias ocupem áreas de proteção ambiental e podem, segundo a reportagem da CBN, até mesmo comprometer ainda mais a qualidade da água do rio Tietê.

O Ministério Público de São Paulo está investigando a participação do secretário de Meio Ambiente no esquema.

No requerimento que pede a abertura da CPI, o deputado Luiz Fernando argumenta que é necessário investigar todas as modificações no “Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê para apurar seus respectivos impactos na natureza.

“É inadmissível que uma entidade tente burlar a legislação ambiental para favorecer as grandes empresas. Precisamos preservar a natureza e investigar tudo isso”, afirma o deputado.

Atualmente, o deputado está colhendo assinaturas de outros parlamentares para conseguir a abertura da CPI.